quinta-feira, junho 25, 2015

morning whisper by Catliv on Behance
Cuéntamelo otra vez, es tan hermoso
que no me canso nunca de escucharlo.
Repíteme otra vez que la pareja
del cuento fue feliz hasta lá muerte,
que ella no le fue infiel, que a él ni siquiera
se le ocurrió engañarla. Y no te olvides
de que, a pesar del tiempo y los problemas,
se seguían besando cada noche.
Cuéntamelo mil vezes, por favor:
es la historia más bella que conozco.


Amalia Bautista

quarta-feira, junho 17, 2015

Prece - J'aime l'Amour comme La Dance

 Pina Bausch, Frühlingsopfer (Sagração da Primavera) Foto: Maarten Vanden Abeele

Eis que a ti me entrego
e a ti recebo.
É a unificação do nosso ser.
Que maior maravilha
pode haver
do que beijar-te a alma
o meu abrigo?
Deixa que a ternura
que em mim sentes
seja a estrada de sonho
em que caminhes
e caminhando tu
irei contigo.
Deixa pois que o infinito
seja o fim,
e que até lá
na doce comunhão do nosso amor
eu consiga a ventura
de te ter ao pé de mim.
Mesmo que as vagas
sejam muitas
eu vencerei distâncias.
e o marulhar bramindo
não será mais forte
do que os meus lábios
teus olhos cobrindo
ao cair da noite.

Deixa pois que me atreva
a ser superior à humanidade;
que subjugue o ciúme,
o tédio e o esquecimento
com a minha vontade.
Deslizarei bem junto a ti,
abraçarei os teus joelhos
e assim eu reinarei
submissamente.
Depois te contarei
os lindos sonhos
que para ti criei.
Consente amor
que a tua alma embale docemente,
que o frémito que existe
nos meus lábios
circule no teu sangue
e te mantenha o fogo
eternamente.

(kodak khrome)
in No fio da Navalha

 

sexta-feira, junho 12, 2015

Lembras-te?



Sobre mim desceram as tuas lágrimas
como orvalho em terra seca
e escaldante.
Senti-as sobre os meus cabelos
como ondas de luz
como beijos de paz.
Não vi teus belos olhos ao vertê-las
porque sentir foi mais que vê-las
e eu senti a imobilidade serena 
da tua presença junto a mim
ganhando em espírito,
abrandando a tensão já tão acumulada.
Lembras-te amor
A noite era estrelada
e em volta a ramaria
mantinha a imobilidade da expectativa
e nós na nossa casa
(hoje tão desprezada)
vivíamos a plenitude do amor
esquecendo e sonhando o impossível.
Recordas-te ainda
Eu que vivo para recordar
enchi a minha vida
dos mil e um segundos
que passei contigo
e com eles formei a linha divisória
que há entre mim e o mundo.
Para lá o destino sem memória
mais forte do que a morte
Para cá há o refúgio que és tu
e a recordação das tuas lágrimas
derramando bálsamos
sobre a minha cabeça tão cansada.
Lembras-te?

foto Peter Lindbergh

quarta-feira, junho 10, 2015

Epitáfio




Foto de Katia Chausheva, L'ultima Corrida

Para o meu lirismo para o meu desejo
Febre desesperada entontecida
Do que há mais indiferente pela vida
Do que há de mais ardente num só beijo

Para as águas em fúria onde velejo
E onde as bonanças vêm de fugida
Como epitáfio à hora da partida
Há um só que é possivel e antevejo

Aqui não jaz ninguém  morreu
Apenas hoje ontem ou que importa
Julgando que enterravam uma morta

Somente viram sob um plúmbeo céu
Já debruçados sobre a campa torta
Uma ave a sonhar que emudeceu

sexta-feira, junho 05, 2015

Alma Simples




Alma que nunca soube o que é pecar
Olhos em que jamais houve um pedir
Peito que nunca esteve p’ra explodir
Mãos que não se habituam a afagar

Rosto que envelheceu sem nunca amar
Lábios que não se atrevem a sorrir
Gente que sempre soube por onde ir
Mais lhes valera para sempre errar

Que loucuras, pecados e ideais
São nossa humanidade. É tudo amor.
É tudo vida, sim. Nada é baixeza.

Quando é feito de lágrimas, calor
Que Deus, se nos quisesse só pureza
Não nos daria um peito sonhador


Fotos Esmaeel Bagherian e  Katia Chausheva

quinta-feira, junho 04, 2015

Flor Garduño
No peevish winter wind shall chill
No sullen tropic sun shall wither
The roses in the rose garden which is ours and ours only  

T.S.Elliot

quarta-feira, junho 03, 2015

william adolphe bouguereau dante and virgil in hell
E enquanto os povos dormem os cães ladrando guardam o homem contra o próprio homem

Exodo XIV