sexta-feira, março 24, 2017


"Mas que bonita que tu estás! Eu vou-te devorar viva! Vou-te comer toda . Meu
amor meu amor meu amor. Apetece-me tanto que me dói o corpo todo de desejo.
O que eu queria era estar contigo, tenho tanta fome de ti. Apetece-me comer-te, 
e não falo em sentido figurado."
António

quinta-feira, março 23, 2017

quarta-feira, março 22, 2017

 How 'bout this. You shut your mouth. Or I'll kick your teeth down your throat and I'll shut it for you.

Study for Georges Bataille’s “L’Histoire de l’oeil”, Hans Bellmer

Hans Bellmer, Study for Georges Bataille’s “L’Histoire de l’oeil”, [“The Story of the Eye”], 1946


No primitvo erotismo talvez haja um aspecto paradisíaco,
com traços ingénuos que encontramos nas cavernas.
Mas não é um muito claro aspecto.
É certo que à sua ingenuidade infantil já se contrapõe uma certa falta de elegância.
Trágica... não tenhamos a menor dúvida.
Ao mesmo tempo, e à primeira vista, cómica.
É que o erotismo e a morte estão ligados.
Já vimos o erotismo ligado à morte no mais fundo da caverna de Lascaux.
Há ali uma revelação estranha, uma revelação fundamental.
E, com uma forma que não pode realmente surpreender-nos, o silêncio
- o incompreensivo silêncio - que começou, só ele por acolher tão denso mistério."

Georges Bataille. As Lágrimas de Eros.

segunda-feira, março 20, 2017

Eu andarei vestido e  armado com as armas de São Jorge

Mal Maior (excerto)



Ele deitou-se sobre ela. Na posição convencional.
Ela deitou-se sob ele. Na posição convencional.
O pudor deitou-se ao lado e riu da posição convencional.
E eram três na cama. Ele, ela e o pudor.

Eu nunca suspirei
Nunca te adorei
Eu nunca quis saber
Eu nunca te quis bem
Eu fingi ter prazer, gritei, pus-me a gemer
Mas nunca desliguei pensei sempre em sair
Fugir, ir-me encontrar com estranhos nalgum bar
Gozar, rir-me de ti.

Agora ele:
Eu nunca suspirei
Nunca te adorei
Eu nunca quis saber
Eu nunca te quis bem
Mais que a um saco de prazer
Um bicho de salão com modos de pavão.
Pensei em passear-te por galerias de arte
Na trela como um cão.

Um vício um precipício - cio.

quinta-feira, março 16, 2017


Cristina Coral



fico admirado quando alguém, por acaso e quase sempre
sem motivo, me diz que não sabe o que é o amor.
eu sei exatamente o que é o amor. o amor é saber
que existe uma parte de nós que deixou de nos pertencer.
o amor é saber que vamos perdoar tudo a essa parte
de nós que não é nossa. o amor é sermos fracos.
o amor é ter medo e querer morrer.

josé luís peixoto

terça-feira, março 14, 2017

Manchester by the Sea. As palavras que definem o personagem por José Duro







Em Busca

Ponho os olhos em mim, como se olhasse um estranho,
E choro de me ver tão outro, tão mudado…
Sem desvendar a causa, o íntimo cuidado
Que sofro do meu mal — o mal de que provenho.

Já não sou aquele Eu do tempo que é passado,
Pastor das ilusões perdi o meu rebanho,
Não sei do meu amor, saúde não na tenho,
E a vida sem saúde é um sofrer dobrado.

A minh’alma rasgou-ma o trágico Desgosto
Nas silvas do Abandono, à hora do sol posto,
Quando o Azul começa a diluir-se em astros…

E à beira dum caminho, até lá muito longe,
Como um mendigo só, como um sombrio monge,
Anda o meu coração em busca dos seus rastros…


José Duro

Manchester by the Sea (2016)
(An absorbing look at grief and self-inflicted 
punishment - Independent)

Um filme de Kenneth Lonergan
Argumento :Kenneth Lonergan


Lee Chandler: Casey Affleck 
Patrick: Lucas Hedges
e  ainda  Michelle Williams, Ben O'Brien,
Kyle Chandler, entre outros.


sábado, março 11, 2017

Segredos só Nossos




Doze minutos, nem mais um. Prometo. Obrigado por fazeres isto, sei que vais parar de falar. Mas obrigado.É importante para mim, a sério. Pronto. Doze minutos e depois dou-te um beijo.A seguir podemos encomendar comida.Ou ir comer fora, como preferires. Podemos ir ver um filme. Mas obrigado pelos doze minutos.
Michael Cunningham in Um Cisne Selvagem e Outros Contos

terça-feira, março 07, 2017

George Frederic Watts (Orlando Pursuing Fata Morgana)


“Quero ser anónima e íntima. Quero falar sem falar, se é possível. (…) É que sinto falta de um silêncio. Eu era silenciosa. E agora me comunico, mesmo sem falar. Mas falta uma coisa. Eu vou tê-la. É uma espécie de liberdade, sem pedir licença a ninguém.”

Clarice Lispector

segunda-feira, março 06, 2017

Salvador Sobral - Amar pelos Dois


Se um dia alguém perguntar por mim
Diz que vivi pra te amar
Antes de ti, só existi
Cansado e sem nada pra dar

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei que não se ama sozinho
Talvez devagarinho possas voltar a aprender

 Se o teu coração não quiser ceder
Não sentir paixão, não quiser sofrer
Sem fazer planos do que virá depois
O meu coração pode amar pelos dois

Letra e musica Luisa Sobral

Vencedor do Festival da Canção.
RTP

sábado, março 04, 2017

 Is it so terrible to have those feelings about a boy? 

Banished from Camelot - Melancolia






Podes sempre usar uma máscara que te esconda.
Não podes evitar as palavras que te derrubam.
São as palavras que te matam.
Resolves afastar o mundo que te rodeia.
E assim fazes o teu próprio funeral.

Not in a good mood today

quinta-feira, março 02, 2017

 Dark Pond,  oil on wood, Alex Kanevsky

“I don’t have qualities, only fragilities. But sometimes…sometimes I have hope. “

Clarice Lispector, extraído de uma carta enviada a Olga Borelli 
n Why This World: A Biography of Clarice Lispector (via afroui)

quarta-feira, março 01, 2017

No Love Lost




Quatro Fotografias da Série "No Love Lost" de Mikkel Bache

"I’m in love with you, and I’m not in the business of denying myself the simple pleasure of saying true things. I’m in love with you, and I know that love is just a shout into the void, and that oblivion is inevitable, and that we’re all doomed and that there will come a day when all our labor has been returned to dust, and I know the sun will swallow the only earth we’ll ever have, and I am in love with you."
— John Green

segunda-feira, fevereiro 27, 2017

Lixo Tóxico - Patrick





Nada é o que parece e
a Realidade é apenas Ficção Alternativa

Sou lixo tóxico
eram palavras a sair gritos a correr em filas de ambulâncias água sem fundo em dia de noite quente e viva vivas eram as cores de ser ali alguém que era eu toca o telemóvel grito rouco de boca sinistra sem fala compreendo eu estou morto sei-o logo que a campainha toca ela está comigo a toda a hora.
estou morto eu sei.

levou-me tudo de casa. cheguei e tudo vazio. mobílias, a cama, os sofás , a televisão,
a casa vazia eram paredes. não consigo parar de pensar. resisto.

levou tudo. tudo. a cabeça a rodar.
na garagem tenho o carro, vou lá.
estava um dia de sol ou será que era inverno? conheço muito bem 
a estória. sou eu, o Patrick e estou dentro da garagem.
amanhã amanhecerá um novo dia. hão-de dar pela minha falta. a falta que ela me faz.
(kodak khrome)


...Talvez um dia, os homens aprendam a amar os outros homens,
a olhar vendo, a respeitar, a saber a importância de um afago.
Quero voar daqui para fora para onde uma palavra faça a diferença.
Um abraço, um carinho, um beijo. Aqui. Onde. Como. Quando.
(trintapermanente)

os pássaros são descendentes de deus, voam por todo o lado e não param em lado nenhum.
(tristan reveur)



Sou lixo tóxico
o borrão da tinta espalha-se na na tampa da carteira
sou eu ali ainda que dormindo
a cabeça desliza-me e cai não sei porquê
os outros olham-me pergunto porquê
vozes oiço oiço vozes distantes onde o quadro e o giz
me apontam a direção por onde ir
sonho que o meu pai me chama quero acordar
chamam-me e fico ali
(kodak Khrome)


morre-se nada
quando chega a vez

é só um solavanco
na estrada por onde já não vamos

morre-se tudo
quando não é o justo momento

e não é nunca
esse momento

 Mia Couto




Um Presente
Sentado olha-me como se fosse eu
Morta de cansaço pergunto sou eu
Dentro de mim fala como eu fosse
A voz afaga o fogo que me consome

O carro parado na garagem e ele lá dentro.
Fechado lá dentro
O motor a trabalhar.
Quando finalmente conseguiram abrir a porta
Ele estava morto
Morto.!
(kodak khrome)

abram a porta do carro abram a porta 
Todos nós de roda, numa estuporada inércia
a não acreditar, ainda a não acreditar.
não dá não abre não abre não abre não abre
abram a porta do carro. abram a porta docarro

O rapaz andava para à frente e para trás, as mãos
presas uma na outra, esfregava-as, enquanto
dizia palavras que ninguém percebia.
não abre  qualquer coisa para partir o vidro não se consegue
para partir o  para partir para partir a  janela abre a janela
não se consegue não se consegue procura lá dentro a alavanca
é ferro rápido raápido a alavanca a alavanca tá aí depressa
depressa rápido na porta na porta o vidro não  não não não

O outro rapaz chorava, as mãos no rosto,
a raiva nos olhos, como se fosse querer
matar alguém. Outra só olhava os olhos,
como eram os olhos? Do não acreditar.
isso não dá isso não dá alavanca a  alavanca  alavanca
partiu partiu partiu já está chama o  Daniel Daniel Daniel 

o carro cá para fora para fora paara fooora paaaara fooora

pulsação pulsação pulsaaçãaaoo pulsaç pulssa pulsa ção~~ção
Mais pessoas chegam, um chama o outro,
e ele ainda lá e quando a luz incidie
no rosto belo, um rosto belo ,era como se
fosse anjo. anjo anjo anjo anjo


Os amigos continuam numa dança que ninguém 
consegue parar. Vão atrás dele. Abraçados.
vou contigo vais vou contigo vou vou vou onde está a Marta a Marta
vem comigo vem  comigo amigo amigo vem  aí o Zé  o Z vem aí
não pode ser não pode ser é é não pode não pode não acredito não não



Paz

A melodia pesa como escuro de breu em terras de ninguém. É obscuro o som das vozes de quem vem lá. Vezes sem conta a porta abre e fecha-se, o quarto era o dele. A maçaneta da porta roda e deixa passar o presente. Não me surpreendes, digo. Sou um rapaz e deixo passar as senhoras, assim manda a boa educação. Sou o dono da casa, sei que sabes, estou aqui contigo e leio o que escreves. Num dia como o de hoje, mil vidas passaram por mim, deram-me o adeus como te vejo agora. Fechei a porta e juntei-me ao grupo que dançava em arabescos longe bem longe. Vi que tinham as cores da melodia, branco e negro. Nessa altura, voei . Oiçam a musica e não tentem enganar-me. Não é possível!
Eu tenho o conhecimento!
kodak khrome
e não há palavras que cantem o silêncio
(tristan Reveur)







Erro Monumental nos Oscares - Afinal o vencedor de Melhor Filme é Moonlight

Moonlight, um filme extraordinário. O que não é extraordinário é esta troca de envelopes, depois de já aberto e anunciado o nome do filme vencedor por Warren Beatty, terem chegado à conclusão que o envelope não era aquele, de facto, parece-me que o envelope já estaria aberto e dizia respeito à vencedora de melhor actriz, Emma Stone. Mas esse foi o prémio anterior. Como foi o envelope aberto parar às mãos do Warren Beaty e ele leu LALA LAND, BEST MOVIE? Diria que a estória deve estar muito mal contada.Já  estou a ver os twitters do Trump. Um engano destes ficará para a história dos Oscares. O Warren Beatty está completamente ché ché, além disso devia estar bastante alcoolizado visto cambalear. My God!


LAMENTÁVEL Srs de Hollywood.
Quem não viu em directo não sabe o que perdeu.



Erro Monumental nos Oscares
ah ah ah ah